sábado, 31 de dezembro de 2011

Respeitável público!

Nanquim sobre guardanapo, 10x10 cm, dezembro 2010

 Há exatos seis meses não posto aqui no blog.  Durante esse tempo, muita gente perguntou o que tinha acontecido comigo. Teve até quem achasse que eu morri. Bem, fiquei nesse posta-não-posta e cá estou eu aqui, tentando escolher as palavras no último dia do ano, não como um tipo de desabafo, mas por consideração a você, leitor, que acompanha meu trabalho e me viu desaparecer de uma hora pra outra. (E se for um desabafo? Aqui é um blog, não? Não vou ter nenhum pudor de me expor ou falar de problemas aqui só porque "pode pegar mal pra alguns possíveis empregadores". Eu sou tão hipócrita quanto o mundo é cor de rosa). 

Bem, de junho a agosto desse ano realizei minha segunda exposição individual, "Bye, Bye, Reitor - o fim de uma era!" finalizando um ciclo de mais de cinco anos de charges sobre a UFRJ. Um evento maior até mesmo que as duas semanas de quadrinhos que produzi - juntas. Acontece que uma exposição desse porte movimentou um trem de professores, bolsistas, pesquisadores, prestadores de serviço, produtores, colaboradores e eu mais ou menos no comando disso tudo, ainda dando conta do trabalho em quatro jornais, da prática de ensino e das matérias da faculdade enquanto produzia as obras da própria exposição. 

Eu e o amigo cartunista Mônico Reis, na assinatura catálogos da minha exposição 

Quem me conhece sabe que eu sempre trabalhei muito, mas reconheço que em 2011 enfiei os dois pés na jaca.  Cheguei ao ponto de dormir duas a três horas por noite durante meses e alcancei os sintomas mais críticos de uma coisa muito chata chamada síndrome de Burnout. A estafa foi tanta que de agosto pra cá eu confesso que nem quis mais saber falar de humor gráfico, salões de humor, charges, imprensa alternativa ou coisas do tipo; criatividade e inspiração pra criar foram-se pelo ralo; só fiz mesmo o necessário pra minha sobrevivência - talvez por isso também meu sumiço aqui do blog.

Mas chega de chorumelas. Tomei vergonha na cara e resolvi cuidar da minha saúde, pretendo me dedicar muito ao coletivo Caricatura Solidária, já tive algumas idéias pra uns projetos legais e a inspiração pra desenhar está voltando. Enquanto isso vou praticando traço e se algo me agradar posto aqui no blog. 

Por hora, de todas as postagens que eu gostaria de ter feito, escolhi a entrevista que fiz com o Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ sobre a exposição; acho que resume bem minha trajetória como "chargista 'oficial' da UFRJ", ou algo do tipo. A entrevista vai na postagem abaixo.

Ah, resolvi postar essa música do Los Hermanos porque me ajudou a cair na real.


Entrevista ao Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ




A seguir vai a entrevista que concedi à jornalista Yara Lopes, do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, na íntegra.




Quando começou o seu interesse por desenhos? Nessa época já pensava em usar isso no seu trabalho?

Assim como a maioria dos desenhistas profissionais, comecei a me interessar por desenho muito cedo, por volta dos três anos de idade já fazia meus rabiscos. Estudei a vida inteira no mesmo colégio e sempre fui autor das capas das revistinhas dos festivais de poesia e camisas das feiras de ciências, e já fazia caricatura dos professores.

 Lá pelo segundo grau eu já desenhava a maioria dos cartazes dos grupos que apresentavam trabalhos e seminários, então passei a cobrar. Não cobrava muito por cada desenho, mas eram tantos cartazes pra ilustrar de tantos grupos de quase todas as turmas que acabava dando um dinheirinho legal. Pode-se dizer que eu já usava desenho no meu trabalho desde essa época.

Como começou a desenvolver um trabalho crítico de cunho político? A entrada na EBA teve alguma influência nesse processo?

Aos onze anos de idade já fazia charges sobre as privatizações no governo FHC. Uma que fiz foi para um trabalho de Geografia, sobre o leilão da Vale do Rio Doce.  Quando fiz estágio em Segurança do Trabalho no porto de Angra dos Reis, havia feito uma série de desenhos sobre situações perigosas no trabalho, para palestras. 

Sempre tive esse negócio de criticar e comunicar através do traço, mas a entrada na EBA influenciou definitivamente. Lá comecei a ter contato com os problemas da Universidade, principalmente pq via, ouvia e vivia as dificuldades dos estudantes. Aí comecei a fazer as charges sobre UFRJ.

Um dos personagens que você mais utiliza nas charges é o ex reitor da UFRJ, Aloísio Teixeira. Houve algum episódio especial para o início dessa saga? Tem alguma charge favorita com esse personagem?

Eu tinha acabado de entrar pra EBA, nem pensava em fazer charges sobre UFRJ na época e só conhecia o Aloísio de vista e de longe, da Aula Magna com Ferreira Gullar, em 2006. Certo domingo, eu ainda calouro, esbarrei com o Aloísio na praia de Ipanema, e o cara me reconheceu! Trocamos uma idéia e cada um seguiu seu rumo.

Mais de um ano depois tava rolando todo aquele barulho do movimento estudantil sobre bandejão e fiz uma tirinha dele comendo mosca e falando “quem disse que precisa de bandejão?” O desenho simplesmente fluiu, como se eu já desenhasse aquele personagem há anos. Essa tirinha é o meu xodó, pq foi onde tudo começou. (risos)

No começo dessa crítica a reitoria, qual foi a reação das pessoas e da própria reitoria? Houve alguma dificuldade em continuar o seu trabalho? Qual ou quais?

Nessa época que eu comecei a fazer as charges do reitor eu estava muito próximo do movimento estudantil. Então as pessoas ao meu redor, como eram estudantes, tinham a mesma visão do que eu e curtiam. Inclusive sempre traziam idéias pra charges. Mas a coisa toda tomou uma proporção enorme quando rodaram um cartaz com uma charge minha do reitor com uma placa vendendo a Universidade. Colaram os cartazes em todos os campi da UFRJ, e isso popularizou o meu trabalho. Logo, grupos do movimento estudantil passaram a se organizar em mutirões pra colar mais charges na UFRJ inteira. A reitoria “caiu na pilha” e publicou um texto no portal da UFRJ que criticava duramente a arte do cartaz.

Pra mim, na época, aquilo foi ótimo! Na minha cabeça, a crítica do meu traço causar uma reação tão abrupta era pq tinha acertado em cheio o alvo. Fiquei tão contente com isso que não percebi que aquele cartaz tinha sido rodado sem minha autorização...

De fato eu só fui me dar conta disso quando aquele grupo do movimento estudantil que me apoiava ganhou as eleições do DCE, em 2008. Se eu puder afirmar que tive alguma dificuldade em continuar meu trabalho, foi nesse momento. Do nada pararam de colar as charges e nem mais queriam falar do assunto.  Fiquei “criticando o reitor” sozinho.  Não foram éticos, ficaram até devendo a xérox das charges por mais de um ano... claro que não foram todos os militantes do movimento estudantil, eu tô aqui falando de um seleto grupo da então direção dos dois coletivos estudantis que formaram a chapa que ganhou as eleições do DCE em 2008. 

Aquilo foi dose, mas sobrevivi. Passei a me dedicar à imprensa sindical desde então.

Você passou da crítica a um trabalho apoiado pela reitoria. Como foi essa transformação?

Não foi uma transformação. Até pq eu não passei da crítica para nada. Meu trabalho é e sempre foi essencialmente crítico. A questão do apoio da reitoria se deu por uma mudança de  postura do próprio Aloísio em relação as charges.  Há pessoas que nos corredores tenham dito, inclusive pra mim, que ele passou a aceitar melhor o meu trabalho quando percebeu que não poderia ser autoritário de me perseguir, e viu nas charges uma oportunidade política de se mostrar democrático e magnânimo. 

Olha, eu acho essa versão da história uma grande babaquice! Pessoas da envergadura e da biografia do Aloísio sabem bem o que é lutar contra a uma ditadura de verdade, portanto conhecem o valor da liberdade e sobretudo da liberdade de expressão. Duvido muito que “me perseguir” ou “tentar me cooptar” tenha sequer passado pela cabeça dele.

O que aconteceu é que a presença das charges no cotidiano da Universidade acabou mostrando que charge é também assunto acadêmico, já que charge é humor gráfico, que humor gráfico é arte gráfica, que é arte. Creio que o apoio da reitoria se deu muito mais pelo debate acadêmico que a exposição de charges levanta do que pelo seu conteúdo em si. 

Qual a importância da exposição "Bye bye reitor- O fim de uma era" para esse momento de mudança e para a sua carreira? Como você se sente com esse trabalho?

Além de ser uma exposição que aborda as questões da própria Universidade, temos aqui algo incrível, que é a junção de três fatos inéditos em 195 anos de EBA e 90 anos de UFRJ: o próprio diretor da Escola de Belas Artes sendo o curador de uma exposição individual de charges, o catálogo ter sido escrito por especialistas e pesquisadores de História da Arte e a presença de um coletivo de caricaturistas – o pessoal do Caricatura Solidária - abrilhantando o evento fazendo caricaturas ao vivo de quem esteve lá.

Pra mim isso tudo deixa um recado muito claro: a maior importância dessa exposição é a mesma que tentamos desenvolver nestes quatro anos à frente do projeto Semana de Quarinhos da UFRJ: ressaltar os Quadrinhos, a Charge, a Caricatura e do Desenho de Humor como manifestações artísticas e de comunicação que merecem seu devido lugar na Academia.

Agora com a posse do novo reitor, como ficarão as charges envolvendo a reitoria? Já tem algum plano?

Estive na posse do professor Levi como novo reitor e quando fui cumprimentá-lo ele disse, com bom humor: “Diego, tenha piedade de mim, tenha piedade de mim!” eu disse: “Rapaz, você deu sorte, eu preciso me formar!!” (risos). 

Não sei como ficarão as charges da gestão da nova reitoria, mas sinceramente eu espero que outros comecem a fazer esse trabalho de crítica social por meio do humor gráfico, até pq a nossa Universidade precisa de pessoas assim, inclusive chargistas que sejam melhores artistas e melhores críticos do que eu.

O chargista é um desenhista ranheta que tenta fazer humor do drama, dos problemas e das contradições da sociedade. Como chargista, eu tentei cumprir esse papel, que é o de e retratar as coisas que aconteciam ao meu redor, e o “meu redor” nesses anos foi a UFRJ. Eu sinto que é o fim de um ciclo de mais de cinco anos de charges que contam uma importante época da história da nossa Universidade. Espero ter sido útil de alguma forma à comunidade acadêmica, seja por fazer rir, revoltar, pensar, concordar, discordar e refletir.

Agradecimentos



Exposição Bye, Bye, Reitor - o fim de uma era!"

Agradecimentos:

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Escola de Belas Artes

Coordenação Geral: Diego Novaes

Curador: Prof. Carlos Terra

Assistente de Curadoria: Prof. Henrique Souza

Produção Cultural: Gabrielle Domingues

Assistente de Produção: Hamilton Kabuna

Divulgação: Alzira Valeria

Cenotécnico: Aylo Furtado

Equipe de Montagerm: Erick J. Costa, Eloi Mattar, Denis S. Mello, Marcos Bittencourt, Fellipe Albuquerque

Programação visual: Paula Machado

Fotografia: Zé Roberto Graúna e Clara Grivicich

Textos do catálogo: Prof. Carlos Terra, profa Angela Ancora da Luz, prof Henrique Souza, prof Octávio Aragão, Lucio Muruci, prof André Brown, Zé Roberto Graúna

Revisão do catálogo: Valeria Almeida

Impressão do catálogo: Gráfica Maia

Impressão do material de divulgação: Amiga Digital e Fotosfera

Apoio: CAEBA - Centro Acadêmico da Escola de Belas Artes da UFRJ

Caricatura ao vivo: Coletivo Caricatura Solidária


Apoio administrativo: João Paulo Silva e Taciana Andriolo Ferreira

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Amanhã tem mais Caricatura Solidária!






Pessoal, amanhã o coletivo Caricatura Solidária estará novamente na exposição pra fazer caricaturas ao vivo de quem passar por lá. 

Pra quem esteve na exposição semana passada e não teve tempo de pegar sua caricatura, vale a pena ir!

A galera do Caricatura Solidária estará por lá das 11:00 às 14:00.

O endereço é Av. Pedro Calmon, n° 550 - Prédio da Reitoria, 1° andar, Hall da Reitoria, Cidade Universitária - Ilha do fundão, Rio de Janeiro, RJ

domingo, 19 de junho de 2011

Matéria sobre a exposição no portal da UFRJ!

video

Essa é a matéria que saiu no portal da UFRJ. Fomos entrevistados eu, o reitor Aloisio Teixeira, o curador Carlos Terra e o cartunista André Brown.


Pra ler a matéria na íntegra, clicaqui, ó!

sábado, 18 de junho de 2011

Entrevistas para o site e portal da UFRJ!

Pessoal, ontem recebi as entrevistas na íntegra, minha e do professor Carlos Terra, curador da exposição e diretor da Escola de Belas Artes da UFRJ.

Não reparem a falta de jeito, não estamos acostumados a dar entrevistas...rs.

E vamo que vamo!

video

video

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Mais fotos, galera!

Recebi essas fotos hoje da Clara Grivicich.

Espero que curtam!!



























quinta-feira, 16 de junho de 2011

As primeiras fotos da exposição!

Eu ao lado do banner em frante à reitoria: finalmente me sentindo pequeno perto de algo...

 Texto de apresentação do curador Carlos Terra

 Algumas charges em exposição

 Fila para assinatura dos catálogos

 Olha o reitor Aloisio Teixeira aí na fila minha gente...rs

 Entrega do catálogo do reitor devidamente autografado. Ao fundo, o curador Carlos Terra.

 Como ele mesmo diz, minha "musa inspiradora"...ehehe.
 
Alguns membros da equipe de produção, da esquerda para a direita: Anna Carolina Bayer, Gabriella Simões, Carlos Terra, eu, Martins de Castro, Inês Maciel e Hamilton Kabuna

Amigos e colegas do coletivo Caricatura Solidária: da esquerda para a direita: André Brown, Marcelo Magon, Jeff Bonfim, Liliana Ostrovisky, Adam Rabello, Zé Roberto Graúna, Déborah Trindade e Jorge Luis



Recebi hoje a primeira leva de fotos da exposição. São mais de cem  fotos que o Zé Roberto Graúna tirou, mas ele já me mandou essas aqui (a primeira é da Clara Grivicich).

A abertura foi ótima, lotada de gente o dia inteiro. Segundo a equipe de produção, compareceram por baixo mais de duzentas pessoas.

Destaque para a atuação do coletivo Caricatura Solidária que esteve lá fazendo caricaturas ao vivo e à gentileza do reitor Aloisio Teixeira em aparecer.

Pros próximos dias vou postar a matéria que saiu no portal da UFRJ e as entrevistas!

Estamos em cartaz no Fundão até dia 22!


E vamo que vamo!


terça-feira, 14 de junho de 2011

Um tempo, galera!



Pessoal, eu mesmo custei a perceber isso, mas acho que vou dar razão a um monte de gente que disse que a abertura da exposição lá na reitoria hoje foi espetacular e superou todas as expectativas de público!


Produção de evento é sempre muito puxado, e nesse caso especialmente pra mim, já que trabalho na coordenação geral da equipe e como artista expositor, então tive muito trampo...duas vezes!

Por essas e outras que tô sem atualizar o blog aqui desde terça (um erro imperdoável pra quem como eu precisa usar o blogspot pra divulgar, mas compreensível pra quem sabe o quanto eu e a equipe de produção ralamos nesse evento!)


Tô num nível de exaustão aqui que superou e muito todas as semanas de quadrinhos que produzi...juntas! (Não quero nem pensar nas aulas que faltei e nos dias de estágio que perdi...ai, ai, ai!)


Então, em prol da minha sanidade mental e integridade física, o workaholic aqui resolveu parar uns dois dias.


Depois eu volto atualizando de quarta passada pra cá (pra ficar de registro) e atualizo o blog com as fotos e textos sobre a abertura da exposição!


Agradeço a presença de todos que foram hoje... estamos em cartaz até dia 22!


E vamo que vamo! (dormir!)


Abraços!


Diego Novaes

segunda-feira, 13 de junho de 2011

É hoje!!

É hoje, às 13 horas, a abertura da exposição lá na UFRJ! Estaremos assinando os catálogos pra quem quiser ir prestigiar a abertura. Destaque para o coletivo Caricatura Solidária, que estará desenhando as pessoas ao vivo por lá!

 Abaixo um print que dei do blog do cartunista e pesquisador Zé Roberto Graúna. Ele escreveu um artigo que analisa com bastante lucidez a proposta dessa exposição. 

A postagem é parada obrigatória pra quem porventura curte ou quer saber mais sobre o meu trabalho: http://zerobertograuna.blogspot.com/2011/06/diego-novaes-na-ufrj.html


domingo, 12 de junho de 2011

Chegaram os catálogos!





Hoje chegaram os catálogos que serão distribuídos amanhã na abertura da exposição. São mil exemplares, competentemente diagramados em sessenta páginas muito bem impressas em cor pela Gráfica Maia.
Falarei mais sobre os catálogos numa postagem mais adiante!